Receba as notícias:

Valoração ambiental

2005-12-07
Por Por João Fernando Marques, pesquisador da Embrapa Meio Ambiente *

Uma das principais questões debatidas actualmente quando se trata das relações entre os sistemas económicos e os sistemas ecológicos ou ambientais refere-se ao processo de se associar valores económicos aos bens e serviços ambientais. O processo de valoração económica do meio ambiente tem-se constituído em um amplo e importante campo de pesquisas teóricas e trabalhos empíricos. Claramente, por se tratar de um ramo da ciência que envolve o comportamento humano, não é desprovido de controvérsias, advindas de preferências teóricas e metodológicas.

* marques@cnpma.embrapa.br

Num esforço de síntese identificam-se duas áreas de conhecimento onde os estudos e exercícios sobre valoração têm evoluído – a economia do meio ambiente e a economia ecológica. Os estudos da economia do meio ambiente e dos recursos naturais baseiam-se no entendimento do meio ambiente como um bem público e dos efeitos ambientais, como externalidades geradas pelo funcionamento da economia.

Assim, os valores dos bens e recursos ambientais e dos impactos ambientais, não captados na esfera de funcionamento do mercado, devido a falhas em seu funcionamento, podem ser estimados, na medida em que se possa descobrir qual a disposição da sociedade e dos indivíduos a pagar pela preservação ou conservação dos recursos e serviços ambientais. De forma geral, o valor económico dos recursos ambientais tem sido desagregado na literatura da seguinte maneira: Valor económico total (VET) = Valor de uso (VU) + valor de opção (VO) + Valor de Existência (VE).

O valor de uso (VU) representa o valor atribuído pelas pessoas pelo uso, propriamente dito, dos recursos e serviços ambientais. O VU é composto pelo valor de Uso Directo (VUD) e pelo Valor de Uso Indirecto (VUI). O VUD corresponde ao valor atribuído pelo indivíduo devido a utilização efectiva e actual de um bem ou serviço ambiental, por exemplo, extracção, visitação ou alguma outra forma de actividade produtiva ou consumo directo, com relação às florestas, e VUI representa o benefício actual do recurso, derivado de funções ecossistêmicas como, por exemplo, a protecção do solo, a estabilidade climática e a protecção dos corpos d’água decorrentes da preservação das florestas.

O Valor de Opção (VO) representa aquilo que pessoas atribuem no presente para que no futuro os serviços prestados pelo meio possam ser utilizados. Assim, trata-se de um valor relacionado a usos futuros que podem gerar alguma forma de benefício ou satisfação aos indivíduos. Por exemplo, o benefício advindo de fármacos desenvolvidos com base em propriedades medicinais ainda não descobertas de plantas existentes nas florestas. O terceiro componente, o Valor de Existência (VE), caracteriza-se como um valor de não-uso.

Esta parcela representa um valor atribuído à existência de atributos do meio ambiente, independentemente, do uso presente ou futuro. Representa um valor conferido pelas pessoas a certos recursos ambientais, como florestas e animais em extinção, mesmo que não tencionem usá-los ou apreciá-los na actualidade ou no futuro. A atribuição do valor de
existência é derivada de uma posição moral, cultural, ética ou altruística em relação aos direitos de existência de espécies não-humanas ou da preservação de outras riquezas naturais, mesmo que estas não representem uso actual ou futuro para o indivíduo.

Existem diversos métodos de valoração que objectivam captar estas distintas parcelas do valor económico do recurso ambiental. Todavia, cada método apresenta limitações em suas estimativas, as quais estarão quase sempre associadas ao grau de sofisticação metodológica, a necessidade de dados e informações, às hipóteses sobre comportamento dos indivíduos e da sociedade e ao uso que se será dado aos resultados obtidos.

A Economia Ecológica, por sua vez, constitui-se em uma abordagem que procura compreender a economia e sua interacção com o ambiente a partir dos princípios físicos e ecológicos, em meio aos quais os processos económicos se desenvolvem. Em termos gerais, os métodos de valoração baseados nesta abordagem utilizam o montante de energia capturada pelos ecossistemas como uma estimativa do seu potencial para a realização do trabalho útil para a economia. Este processo de valoração, geralmente, utiliza do conceito de Produção Primária Bruta de um ecossistema.

A Produção Primária Bruta é uma medida da energia solar utilizada pelas plantas para fixar carbono. Assim, a energia solar capturada pelo sistema é convertida em equivalente de energia fóssil. Posteriormente, faz-se a transformação deste equivalente em energia fóssil em unidades monetárias, utilizando-se uma relação entre o Produto Interno Bruto e o total de energia usada pela economia. O método da análise energética propõe definir os valores ecológicos dos ecossistemas em função dos custos da energia envolvida na sua produção: a quantidade de energia necessária para a organização de estrutura complexa, como o ecossistema, pode servir como medida de seu custo de energia, de sua organização e de
seu valor.

Outro método que adota, em termos gerais, os mesmos princípios, chama-se análise emergética que considera todos os fluxos de energia, materiais e informação que ocorrem em um sistema, e os transforma em uma única base, em unidades de energia solar, e posteriormente também utiliza o Produto Interno Bruto para encontrar valores económicos para os sistemas ambientais.

Cada abordagem e método apresenta vantagens e desvantagens, compreender suas limitações e procurar avanços na compreensão dos fenómenos naturais e do entendimento económico orientados pelo objectivo maior, que é o desenvolvimento sustentável, é o desafio presente para todas as correntes de pensamento.

Vanessa Elisa Klafke
2009-05-13
04:15
A partir do momento que mensurarmos, da forma mais apropriada, o valor econômico do ativo ambiental e, a partir daí, internalizarmos os custos ambientais nos diversos projetos econômicos e termos econômicamente avaliada nossa riqueza ambiental remanescente, em detrimento de países que a " consumiram " em nome do desenvolvimento; quem sabe estaremos caminnhando para um mundo significaticamente melhor.
dany
2010-02-17
15:33
muito bom:)
Maristela silva de Sousa
2011-09-13
19:10
Em nome do desenvolvimento tÊm se sacrificado muitas vidas humanas e não humanas. nNo final de tudo a extinção será a do próprio homem. O valor economico ambiental não pode ser mensurado, pois tudo o que é dado um determinado valor monetário tende a se tornar excasso nas mãos da grande maioria em detrimento da desigualdade social. E se isso acontecer, perderemos o direito da luz do sol, do vento natural, como vem acontecendo com a sombra e frescor das florestas. Chega de querer colocar preço em tudo, vamos simplismente voltar aquele tempo que não se precisava de tanta coisa para sermos saciados e felizes, ate porque isso é falso. Que tal mensaurarmos a nossa burrice, ignorância, ganância, estupidez e mentira.
Patrìcia
2012-08-27
02:55
Maravilhoso, falou paouco maisfalou muito.
Thalita
2013-02-05
21:53
Muito bom, me encontrei agora. Esse é o ramo que quero seguir!

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

«Importa perceber o grau
de literacia científica do ilustrador

As mulheres ainda preferem o parto natural

Portugal acolhe o maior Congresso Europeu sobre a China

Cegonhas «contra» nova directiva Europeia

Associação Portuguesa de Estudos Franceses
recebe Prémio Hervé Deluen

Reclusos de Castelo Branco vão ver o sol
(não aos quadradinhos)

Fernando Pestana da Costa eleito presidente da SPM

Hortas urbanas têm solos com excesso de metais pesados

Coimbra cria programa pioneiro para a infertilidade

Jovem português «bronzeia-se» na Física

Aditivos alimentares sintéticos e naturais:
quem vai ganhar a «guerra»?

Qual é o número de moléculas dentro de células?

CESPU e Universidade de Barcelona
juntas no ensino da saúde

João Ramalho- Santos lidera CNC

GILEAD SCIENCES apoia projectos científicos
com 200 mil euros

Marta Catarino é vice-presidente da associação europeia
de transferência de conhecimento

Dr. ROAD – o “médico” das estradas - nasce em Coimbra

Um «osso» para a cabeça? Uma porta para o carro?
Uma peça para uma aeronave? É para já!

Livro ensina pais a alimentarem crianças

Investigadores do Porto distinguidos
com Prémio Grünenthal Dor

Portugueses conquistam duplo bronze
nas Olimpíadas Internacionais de Biologia

Rui Costa vence mais um prémio internacional

Quando a matemática «joga» rugby

UTAD valoriza da Dieta Mediterrânica

Vem aí o Aquila, o Fórmula 1
da Universidade de Aveiro

Computadores «aprendem» português em Coimbra

Portugal obtém novo recorde nas Olimpíadas Internacionais de Matemática

Ordem dos Nutricionistas alerta
para o risco de «alimentos tostados»

Mais de 80% dos materiais a usar na construção do
Boom Festival 2014 são reutilizados ou naturais

Tânia Morais identificou compostos eficientes
contra várias linhas celulares cancerígenas